Eudaldo Silva Lima « Mundo Novo – Bahia

"...uma poesia nas quebradas do sertão..."
(Wilson Aragão)

This movie requires Flash Player 9

Eudaldo Silva Lima



* Euzébio Cardozo Neto.

Nenhum cristão se retirou, jamais, impune dos sermões de Eudaldo Silva Lima ( 1909 – 1988 ), nome insculpido e imortalizado no coração de sem-número de presbiterianos nos quatro cantos do Brasil.  Eudaldo trocou a dimensão terrena pela vida eterna há quase cinco lustros.  Um ano depois estaria octogenário.

Como tribuno evangélico, de que o presbiterianismo nacional se envaidece, Eudaldo teve a estatura  de um Galdino Moreira, de um Álvaro Reis, de um Jerônimo Gueiros, de um Matatias dos Santos, de um Miguel Rizzo, de um Basílio Catalá de Castro (seu pastor, amigo e incentivador para o ministério).   Possuía o dom de extrair dos textos bíblicos ensinamentos que eram verdadeiros achados nas esferas espirituais e que não passaram desapercebidos às mentes esclarecidas e privilegiadas.

A seu respeito não se esgotarão epítetos:  excepcional inteligência, colossal memória, largueza de alma, inesgotável capacidade de serviço, argumentador nutrido nos textos sagrados, na cultura teológica, na literatura, no conhecimento universal, no labor cotidiano, agraciado pela Divindade com a vocação para o ministério da palavra sagrada, espírito originalíssimo de autêntico missionário, capacidade de envolver-se com os mais aflitos problemas da alma humana, talento multifário…

As assertivas não pecam pelo exagero.

No múnus de educar, fundou escolas, ministrou ensinamentos nos vários campos do saber, foi decano do Conselho de Educação do Distrito Federal, tendo presidido a Câmara de Planejamento e a Comissão de Encargos Educacionais.  Estudioso, adquiriu profunda cultura nas áreas da Teologia Sistemática e Pastoral, acrescida de curso de especialização nos EUA.  A assembléia geral de sua igreja, unanimemente, o elegeu pastor emérito.

Escritor, conferencista, orador, tradutor, memorialista, professor, ficcionista, poeta, ensaísta, pensador religioso, missionário evangélico, humanista, imperturbável exegeta das Sagradas Escrituras, produziu Eudaldo variada literatura.  Possuía o condão do narrador, senhor de invejável pureza de linguagem, estilo enxutíssimo, fluente, isso tudo conjugado com infatigável riqueza de conteúdo.

Legou-nos, ao entrar na cidade pelas portas douradas para gozo da plenitude da presença de Jesus ( é dele a metáfora ), as seguintes obras:  Martinho Lutero ( escorço biográfico em comemoração do qüingentésimo aniversário do monge reformador ), traduzido do alemão pelo próprio Eudaldo; Escravos da Serra  ( romance garimpeiro );  Cantigas de Fim de Safra ( poemas ); Cenas e Perfis na Parábola do Filho Pródigo (  Sermões );  Romeiros do Meu Caminho ( saudades de um pastor do sertão -  memórias );  A Presença de Deus Face às Criaturas Humanas ( Sermões );  Os Régis da Quixaba ( memórias )  e Razões de Minha Fé ( Obra apologética ).

Eudaldo foi a um tempo orador e pregador.  Como orador teve a eloqüência das palavras.  Como pregador usufruiu da unção do Espírito.  Como orador possuiu verve.  Como pregador, carisma. Era um iluminado.  Como poucos dignitários evangélicos, sabia conversar com o auditório de modo franco, naturalmente.  Doutrinava e convencia, levando ouvintes a rir ou a chorar.  Sua voz, invariavelmente aquecida, era oriunda de um coração temperado nas labaredas da fé, como observou um de sues críticos.

O PEDAGOGO

Veio Eudaldo ao mundo em 21 de abril de 1909, no Distrito de Alto Bonito, Município de Mundo Novo, Bahia, filho de Apolônio Silva Lima e Lucinda Guimarães da Silva.  Estudou na escola particular de D. Zizinha, da primeira à quarta série e um ano na Escola Caixeral do professor Pedro Góes.  Fez o curso secundário na Escola Normal Missionária, em Ponte Nova ( hoje Wagner ), e o pré-teológico no  “José Manoel da Conceição”, o Mackenzie, em São Paulo.   O teológico, completou-o na Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana do Brasil, em Campinas, São Paulo. Freqüentou, nos EUA, curso de especialização em Teologia Pastoral.

Foi pastor da Igreja Presbiteriana de Campo Formoso durante 11 anos.  Nesta “pequena e inolvidável cidade “, fundou um Ginásio e Escola Normal, denominados Colégio Augusto Galvão, denominação dada em homenagem a ilustre filho da terra, entusiasta da Educação.  Pela antiga UDN, foi eleito vereador, tornou-se presidente da Câmara Municipal, de 1945 a 1949.  Ao instalar-se a Comarca, em 1943, foi nomeado Prefeito interinamente e serviu por teres anos como Oficial do Registro de Imóveis.

Em Salvador, foi pastor da Igreja Presbiteriana da Bahia, na Rua da Mangueira, bairro de Nazaré, de 1950 a 1960, quando tomou posse de novos encargos na Capital Federal, Brasília.

Ministrou aulas de Latim e Português nos colégios Estadual da Bahia ( Central ) e Dois de Julho.  Na administração do prefeito Hélio Machado, foi diretor do Patrimônio da Prefeitura por quatro anos.  Na gestão de Heitor Dias, dois anos diretor da Divisão da Secretaria do Bem-Estar Social.

DISTRITO FEDERAL

Eudaldo desembarcou em Brasília precisamente no dia da inauguração da nova capital brasileira, em 21 de abril de 1961 ( dia também de seu aniversário ), para reunião especial da Executiva do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil e com a incumbência de ali fundar e construir a Igreja Nacional de Brasília.  Assentou no Planalto Central os alicerces da nova ação evangélica, terminando por inaugurar o Instituto Presbiteriano de Brasília e o Sínodo do Brasil Central.  Elegeram-no membro do primeiro grupo de professores secundários que inaugurou a Escola Elefante Branco.  Em 1965 é nomeado membro do Conselho de Educação do Distrito Federal, cargo a que foi reconduzido por três mandatos de seis anos cada.  Em 1983, Eudaldo é indicado pela Secretaria da Educação e designado pelo então governador José Ornelas para integrar grupo de nove pessoas com vistas a preparar os atos constitutivos do Conselho de Entorpecentes do Distrito Federal.  Nesta mesma oportunidade foi agraciado com menção honrosa, tendo sido saudado pelo então presidente da Câmara Federal, deputado Rômulo Galvão, que fora seu aluno na primeira turma do Colégio Augusto Galvão, fundado por Eudaldo, em Campo Formoso.   Foi eleito membro da Academia de Letras e Múisica do Brasil, em Brasíliaç, na qual ocupou a Cadeira nº.18, da qual é patrono e poeta Cruz e Souza

Ainda em Brasília, Eudaldo Lima implantou a Igreja Reformada de tradição presbiteriana, sua figura tornou-se respeitada nos meios culturais e religiosos. Teve acatada a palavra não só como homem de fé e princípios, senão também como possuidor de vasta cultura humanística, específica de suas convicções.  Pregador  festejado, educador de méritos, militou anos e anos nas lides jornalísticas secular e evangélica.

O modo raro de dirigir-se às mais diversificadas platéias, o dom e graça singularíssimos de pregador, a veemência como dava trato às cousas sagradas, fé-lo conhecido e solicitado nos mais longínquos quadrantes do Brasil.  Na Bahia, sua fama de predicante enveredou pelas trilhas da lenda e do folclore.  Histórias continuam a correr de boca em boca, nas zonas rural e urbana, relatando episódios pitorescos do pregador eloqüente, corajudo e imaginoso, do polemista destemido, do poeta e escritor de talento.  Pedro Saturnino de Souza, ( já falecido ), que viveu em Campo Formoso , ex-faiscador do cristal de rocha, ex-presbítero, lembrava de inúmeros casos envolvendo a ação missionária itinerante de Eudaldo, numa jurisdição evangélica imensa como um país.  Eudaldo, contava Saturnino, num determinado sermão comparou certos crentes às andorinhas que fazem verão acocoradas nos fios através dos quais fluem mensagens em Código Morese , sem nada perceberem do que está ocorrendo a seus pés.

Aos 70 anos ( em 1979 ), Eudaldo desabafou:  “A vida que agora vivo, vivo-a na saudade da gente, dos vales, dos panoramas, dos canários, das vozes, das cantigas, das alegrias desfrutadas”.  E mais:  “Que saudades me dá dos embiruçus em floração cobrindo a floresta escura de flores amarelas, ou das barrigudas ao fim de julho na florescência rósea que promete a lanugem macia da paina branca; que saudade me dá das viagens ao romper do dia, a brisa matutina roçando-me a fronte ao trote da montaria e na companhia daquele Santo que se chamou Joaquim Benício;  que saudade de contemplar em qualquer manhã de novembro os umbuzeiros em flor, alvos como se chuva de neve lhes granizasse a ramaria, e aquele perfume enchendo o espaço e o zumbido de um milhão de abelhas furtando-lhes o néctar; que saudades que me v~em das tardes do sertão ao despertar nos sítios e fazendas dos irmãos, as casas simples, ao redor do mugido das vacas, o balido do gado unido e o aroma das boninas abençoando o ambiente da querência; que saudades agridoce dos encontros nos cultos celebrados nas roças, quantas vezes à sombra rotunda dos umbuzeiros sombrios ( … ); quanta saudade que nesse entre-tempo eu sofria da família distante, a filha morena de olhos indagadores, o filho pequeno fugindo de casa  para a casa dos colegas pela rua sem prerigos e, respondendo perguntas, explicava: “Estou fugindo para a casa do Rev. Newman, e da esposa solícita fazendo as vezes de pastora quando eu distante atendia s populações tão  desprotegidas da zona rural”.

Eudaldo Silva Lima é uma inapagável falta no púlpito, na família presbiteriana, na sociedade evangélica, na cultura nacional, em todos os sítios por onde passou, cantando e espalhando suas orações que a todos surpreendia e embevecia e persuadia.  Dele se poderá dizer o que foi dito de Abel:  “Depois de morto, ainda fala” ( Hebreus  11:4 ).

_____________________

Euzébio Cardozo Neto é natural de Piritiba (Ba); é professor.  Filho de  Euro Oliveira e Ivete de Oliveira Sampaio.



Leia mais:



16 comentários para “Eudaldo Silva Lima”

  1. Foi sem dúvidas um grande homem. Merece todos os elogios tão bem colocados pelo autor do texto.Parabéns. Como conseguir os livros escritos pelo saudoso homem de Deus, Eudaldo Silva Lima.

  2. Roberto Costa Pinho disse:

    Saudações. Gostaria de ter a informação sobre alguém que pudesse conversar sobre o livro do Reverendo Eudaldo “Os Regis de Quixaba”. Acontece que pertenço a esta genealogia, tenho o livro, mas preciso aprofundar alguns dados. Haveria certamente algum descendente do Reverendo com que, conhecendo o livro, pudesse contatar. Moro em Brasília. Ficarei muito grato por uma ajuda neste caso.

  3. Eu era ainda menino, quando o Rev. Eudaldo da Silva Lima, chegou para pastorear a IPB de C.Formoso. Alguns anos depois
    nos encontramos em S. Paulo. Tive o previlégio de na companhia de Dr. Agenor Cefas Jatobá(JUIZ DE DIREITO) fazê-lhe uma visita em sua residência em Brasilia. Ali ele nos presenteou com um de seus livros(ROMEIROS DO MEU DESTINO). Guardo-o na lembrança com muita estima e saudade a sua pessoa.

  4. Caros amigos, a paz.
    É uma granos preciosidade. O rev. Eudaldo, que não tive o privilégio de conhecê-Lo pessoalmente, fez um grande trabalho para o Reino do Eterno. E as suas maravilhosas obras, que deveriam ser obrigatórias nas bibliotecas públicas. ROMEIROS DE MEU CAMINHO E VÁRIOS OUTROS.
    Parabéns BONITA de Mundo Novo, pelo grande cidadão do ceus que saiu de te para brilhar.
    Rev. Sergio

  5. AMIGOS,

    POR QUE OS NOSSOS INTERNAUTAS NÃO SE MANIFESTAM NESSE PORTAL TÃO IMPORTANTE? VAMOS FAZER UMA CAMPANHA PRÁ QUE OS AMIGOS COLOQUEM AQUI SEUS ARTIGOS. MUNDO NOVO QUE SEMPRE FOI TERRA DE TALENTOS… NÃO SE PODE ENTERRA OS TALENTOS.
    CONTINUO SOLICITANDO AOS DISTINTOS AMIGOS QUE AMA MUNDO NOVO QUE VOLTAREI EM OUTRA OPORTUNIDADE FAÇAM ALGUMA COISA NO SENTIDO DE QUE A CÂMARA FAÇA UM PROJETO DE LEI PRÁ EMPRESTAR OS NOMES DOS REVS. EUDALDO SILVA LIMA(FILHO DO DISTITO DE ALTO BONITO) E ARISTEU PIRES (FILHO DO POVADO DE BONITA/IBIAPORÃ). É UMA HOMENÁGEM MAIS DO QUE JUSTA. PENSEM NISTO. VOLTAREI EM OUTRA OPORTUNIDADE.
    ATENCIOSAMENTE,
    PROF. EUZÉBIO,

  6. DISTINTOS AMIGOS,

    NESTA OPORTUNIDADE, VOLTO MAIS UMA VEZ A ESSE PORTAL BRILHANTE PARA TECER DOIS BREVES COMENTÁRIOS:

    A) EM SETEMBRO/2010 ESTIVE AI EM MUNDO NOVO-BA COM A FINALIDADE DE ENCAMINHAR JUNTO AO PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES (JÁ DEPOSTO) SR. MARCOS FÁBIO PETILO, OFÍCIO E EM ANEXO, UMA BREVE BIOGRAFIA DE DOIS ILUSTRES FILHOS DO MUNICÍPIO DE MUNDO NOVO. AI SENDO, FUI RECEBIDO PELO REFERIDO PRESIDENTE QUE DEU-ME O RECEBIDO DO OFÍCIO CONTENDO TAMBÉM JUSTIFICATIVA NO SENTIDO DE SE CRIAR PROJETO DE LEI NOMEANDO UMA PRAÇA, UMA ESCOLA, UMA AVENIDA, EM NOME DOS PASTORES: EUDALDO SILVA LIMA (FILHO DE ALTO BONITO) E ARISTEU DE OLIVEIRA PIRES.
    NADA MAIS DO QUE JUSTO. DOIS EXPOENTES DA CULTURA, DOIS NOMES QUE DERAM TANTO A NOSSA PÁTRIA. POIS BEM, INFELIZMENTE NADA FOI FEITO NESTE SENTIDO. COISAS DE POLITICO MOLEQUE. AO CONTRÁRIO, TEMOS VISTO PROVIDÊNCIAS PRÁ SE CONSTRUIR ESCOLAS, AVENIDAS, PRAÇAS, ENTRE OUTROS… E DAR NOMES A PESSOAS QUE NADA TEM A VER E TUDO ISTO SOMENTE POR CAUSA DO CURRAL ELEITOREIRO, INTERESSES PARTICULARES…
    NO PRESENTE PORTAL, LI ALGUNS DEPOIMENTOS SOBRE O REV. EUDALDO SILVA LIMA DAS SEGUINTES PESSOAS: (DR. EUDALDO SILVA FREITAS, QUE O CONHEÇO MUITO; OSCAR FLAIM; PATRÍCIO, ETC.
    PORTANTO, FAÇO UM APELO AO ILUSTRES MUNDONOVENCES NO SENTIDO DE INSSISTIR COM O ATUAL PRESIDENTE DA CÂMARA E SE NECESSÁRIO, AVISEM-ME QUE TENHO O MAIOR PRAZER DE FAZER OUTRO OFÍCIO SOLICITANDO PROJETO DE LEI PRÁ QUE O NOME DOS NOSSOS ILUSTRES CIDADÃOS “REVS. EUDALDO LIMA E ARISTEU PIRES” SEJAM ACOLHIDOS POR SUA CIDADE DE ORÍGEM.

    B) O OUTRO COMENTÁRIO É A RESPEITO DO DR. EUDALDO SOUZA FREITAS. ELE TAMBÉM É PASTOR. MÉDICO PSIQUIATRA E FILHO DO POVOADO DE IPANEMA, MUNICÍPIO DE AMÉRICA DOURADA-BAHIA. CERTA OCASIÃO EM UM CULTO DE ANIVERSÁRIO AQUI, DISSE-LHE QUE ELE HERDOU UM NOME EXTRAORDINÁRIO DE UM GRANDE SERVO DE DEUS, REV. EUDALDO SILVA LIMA.

    SOLI DEO GLÓRIA,

    EV. PROF. EUZÉBIO CARDOZO NETO

  7. Muito, me alegrei nesta manhã, 29/01/2012(Domingo) saber um pouco da história do homem que foi inspiração para minha querida avó Paterna, Laudelina Araújo Freitas (já falecida) que me deu este nome, ela falava com saudade do amigo e respeitoso Pastor Eudaldo lima,quando ele passava pelo sertão, e ficara Hospedado na casa de familiares meus, no povoado de Ipanema,(antigo Caldeirão da Onça) município de Irecê, hoje município de América Dourada, só hoje tive a alegria de ver na rede algumas coisas maravilhosas da vida desse homem de Deus, eu tenho o desejo de trabalhar em missões, e sempre fugi desse compromisso, e nos últimos dias, tenho sentido coragem para ir a diante,e com a história de vida de Eudaldo Lima, me fortaleci ainda mais, quem dera eu ser dez por cento desse amado homem de Deus, agradeço ao Senhor Jesus pela Salvação, e por me dá um nome de vencedor.

  8. Oscar Flaim disse:

    Antes de comentar sobre esse estupendo post, irei elogiar a incrível qualidade do seu blog. Enfim descobri o que precisava conhecer sobre isso de uma forma concisa e exata. Não deixe que a qualidade desse blog caia, está puramente estupendo!

  9. Patrício disse:

    Mais aulgumas informações sobre Eudaldo Silva Lima:

    Disponível em: http://www.ipn.org.br/principal/index.php?option=com_content&view=article&id=1241&Itemid=650

    Rev. Eudaldo Silva Lima

    Nascido a 21 de abril de 1909, no Distrito de Alto Bonito, município de Mundo Novo, Bahia, estudou na Escola Normal Missionária em Ponte Nova, hoje, cidade Wagner, estado da Bahia e no Colégio José Manoel da Conceição, em Jandira, estado de São Paulo, onde fez o curso profissional pré-teológico e em seguida, no seminário Teológico no Seminário presbiteriano do Sul, em Campinas, São Paulo onde se preparou para o ministério, tendo sido ordenado ao sagrado ministério, em 13 de janeiro de 1940 na igreja Presbiteriana da Rua Rocha Galvão 17, em Salvador, Bahia, pelo presbitério Bahia/Sergipe. Exerceu o pastorado na IPN, no período de agosto de 1961, ao mês de julho de 1965.

    Após ter sido ordenado foi direto para a igreja Presbiteriana de Campo Formoso na Bahia ficando por lá, (11) onze anos, onde fundou o Ginásio Augusto Galvão, em Campo Formoso, em 1946, sob sua direção.

    Em 1951 foi para Salvador para a Igreja Presbiteriana da Bahia, na Rua da Mangueira, Bairro de Nazaré, onde permaneceu até 1960.

    Em Salvador, foi professor de latim e português no Colégio Estadual da Bahia e no Colégio Dois de Julho. Foi Diretor da Secretaria de Bem Estar Social e Diretor do patrimônio da Prefeitura, em Salvador. Possuía registro para lecionar Hebraico.

    Veio para a inauguração de Brasília, chegando em 21 de abril de 1960, representando o Supremo Concílio, quando recebeu a incumbência de construir a Igreja Presbiteriana na recém criada capital do País. Em sua bagagem, uma experiência de vinte (20) anos de ministério.

    Sua vida foi dedicada também à educação. Fundou o Conselho de Pastores de Brasília, o Colégio Augusto Galvão e o Lar da Criança em Campo Formoso. Por todas as cidades por onde passou construía igrejas e ao lado, escolas vinculadas ao trabalho evangélico.

    Casado com Euridice Morais de Castro Lima teve 03 filhos: Ediná Gerlacina Moraes Lima, Augusto Eudaldo Moraes Lima e Eudaldo Silva Lima Júnior.

    Em Brasília, construiu a primeira capela no terreno definitivo da Igreja Presbiteriana Nacional, inaugurou o Instituto Presbiteriano de Brasília, e organizou o Sínodo Brasil Central. Foi membro do primeiro grupo de professores secundários que inaugurou o Colégio Elefante Branco e nomeado, em 1965, membro do Conselho de Educação do Distrito Federal, sendo reconduzido a esse cargo por três mandatos de 6 (seis) anos cada. José Ornelas, então governador do Distrito Federal, o designou para integrar o grupo de 9 (nove) pessoas, para preparar os atos constitutivos do Conselho de Entorpecentes do Distrito Federal. Foi agraciado com menção honrosa, tendo sido saudado pelo então presidente da Câmara Federal, deputado Rômulo Galvão, que fora seu aluno na primeira turma do Colégio Augusto Galvão.

    Poeta, escritor deixou vários títulos publicados, contribuindo com a literatura evangélica do País. Eleito para ocupar a cadeira nº 4 da qual era patrono o poeta Cruz e Souza na Academia de Letras e Música do Brasil, toma posse no dia 9 de novembro de 1982, às 20 horas, no auditório da Escola de Música. Recebeu, em 2 de dezembro de 1997, o título de cidadão honorário de Brasília (pós mortem) conferido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal. Faleceu a 18 de fevereiro de 1987, em Brasília, cidade que optou por residir após jubilar-se do ministério.

  10. Distintos amigos

    Eudaldo Sampio, Patrício, Natanael e Junior,

    Fico muito contente pelos comentários que você teceram sobre o extraordinário filho de Mundo Novo(Ba) Rev. Eudldo Silva Lima.

    Outrossim, é uma VERGONHA a falta de ATENÇÃO da parte do presidente da Câmara Municipal de Vereadores da nossa Brilhante Mundo Novo, no que tange ao meu Of. nº21/2009 datado de 16/04/2009, quando na oportunidade me foi concedida a palavra para ir até a tribuna expor o objetivo do meu oficio. O presidente Marcos Petilo me recebu com muito cortezia e assim que deu ciente na 2ª via do ofício, disse-me que faria todo empenho junto aos seus pares para argumentar a necessidade de se criar projeto de lei emprestando o nome do ilustre Rev. Eudaldo Lima a uma Escola, Avenida, etc, etc…
    Como as coisas se banalizam… Interessante notar que se fosse um pedido de determinado correligionário, imediatamente havia interesse…
    Na oportunidade, solcito dos distintos amigos que se posicionaram sobre o meu oficio que também se manifestem nesta causa nobre…
    No aguardo dos vossos pronuncionamentos, colho o ensejo para renovar meus protestos de estima e elevada consideração.

    Att,

    Prof. Euzébio Cardozo.

  11. Eudaldo Sampaio de Souza disse:

    Alegro-me que hoje,15 de novembro,ás 17,30 horas,quatro dias antes do meu aniversário,descubrí que a origem do meu nome,dado pela minha avó materna,dona Isabel de Oliveira Sampaio,ardorosa presbítera,que nasceu na região de Mundo Novo,foi em homenagem ao querido professor,Eudaldo Silva Lima;o que para mim,foi uma grata surpresa.

  12. Patrício disse:

    Caros,
    Eudaldo Silva Lima é de fato um grande homem, merecedor de muitas honrarias. Conheço dois livros publicados por Eudaldo e são notórios os méritos literários, principalmente do livro Romeiros do meu caminho. Penso ser merecida a indicação de seu nome para cidadão ilustre de Mundo Novo. Alguém tem contato com a família de Eudaldo, sei que seus filhos vivem em Brasília, caso alguém tenha algum contato, ficarei grato pelo auxilio.
    Patrício Nunes Barreiros
    Professor de Literatura do Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Feira de Santana e do Departamento de Ciências Humanas – Campus I Salvador, da Universidade do Estado da Bahia

  13. Distinto amigo,

    Solicito-lhe a gentileza de postar neste excelente portal o presente Ofício na sua íntegra, para dar conhecimento a todos a todos Mundonovences, ao tempo em que vocês farão um reflexão sobre a falta atenção e desleixo do presidente da Câmara de Vereadores de Mundo Novo-Ba, o Sr. MARCOS FÁBIO PETILO.
    Outrossim, na ocasião estive pessoalmente com o referido presidente em seu gabinete, deu o ciente na 2ª cópia, foi-me concedida a palavra em plenário para expor o que abaixo segue, entretanto, nenhuma providência foi tomada. Só o descaso…
    _______ x________________

    Ipanema, América Durada(Ba, 16 de abrild e 2009
    Of. nº 021/2009
    Assunto: Encaminhamento.

    Senhor Presidente,

    Saudando V.Exa., levo ao vosso conhecimento que no dia 21 de abril de 1909 nasceu no Distrito de Alto Bonito, EUDALDO SILVA LIMA e em Ibiaporã, ARISTEU DE OLIVEIRA PIRES, ambos Mundonovenses, que mais tarde tornaram-se personas grata(s) reconhecidos por todos que usufruiram de seus préstimos. Nomes insculpidos e imortalizados no coração de um cem número de cidadãos, amigos, ex-alunos e admiradores no quatro cantos do Brasil, conforme justificatiavasm em anexo (biografias).
    Outrossim, pelos honrosos méritos alcançados e testemunhados com profícuos e incansáveis trabalhos, venho na oportunidade, solicitar de V.Exa., apresentar junto a mesa dessa Casa Legislativa PROJETO DE LEI, denominando uma avenida e/ou Órgão Público dos seus respectivos Distritos de nascimento. O nome dos insignes benfeitores e humanitários homenageados revelaram pelos serviços prestados em alguns Estados do nosso País e ao seu povo nestas últimas 4 (quatro) décadas,testemunho e brilhantismo, honrando todos os cargos que exerceram com transparência, lealdade, honestidade e solidariedade, aos que buscaram os seus serviços.
    Senhor Presidente, é sobretudo um reconhecimento público (in memoria) àqueles que seguramente foram reservas morais e personalidades de escol, orgulho exemplar do vosso Município, do nosso Estado e do Brasil.
    Sendo o que consta, e aguardando correspondências e empenho na proficiência do que se requer pela justa e merecida homenagem, colho o ensejo para renovar meus protestos de estiva e elevada consideração.

    Atenciosamente,
    Euzébio Cardozo Neto
    Professor.

    Exmº.Senhor
    MARCOS FÁBIO PETILO
    MD.Presidente da Câmara de Vereadores de Mundo Novo
    Praça Senador Cohim, nº 35 – Centro
    MUNDO NOVO – BAHIA

  14. Prezados amigos

    Natanael e Júnior,

    Como fiquei contente em ler o comentário de vocês sobre o Rev.Eudaldo Silva Lima. Gostaria que vocês contasse mais um pouco sobre o saudoso Eudaldo. Não faz muito tempo, fui à Câmara de Vereadores de Mundo Novo e protocolei junto ao Presidente daquela casa pedido de Projeto de Lei para homenagear o Rev.Eudaldo dando nome a um dos monumentos no Distrito de Alto Bonito (terra dos seu nascimento), assim como homenagear o seu sobrinho Rev. Aristeu Pires (natural de Bonita de Mundo Novo), dando nome a uma entidade, homenageando assim esses grandes homens públicos e servos de Jesus Cristo.
    Até o presente momento, nem sequer houve resposta dos meus ofícios… Em outras palavras, se fossem políticos toda uma existência, provavelmente o caso teria sido resolvido.

    Abraços,

    Prof. Euzébio Cardozo
    (Neto de Dr.Esébio dos Passos Cardoso de Mundo Novo-Ba)

  15. natanael nunes de jesus disse:

    Conheci o reverendo Eudaldo ainda pequeno quando meu pai algumas vezes me levava a igreja presbiteriana da mangueira no cento da cidade ou melhor mais proximo do bairro de nazare.Algumas vezes o reverendo se deslocava para pregar na minha igreja ou seja onde fui criado, numa das casa que pertenciam a congregação presbiteriana do bairro da liberdade situada na rua lima e silva,tudo isto em Salvador. Que saudade que recordação gostosa, que DEUS o tenha no seu trono eao seu lado meu falecido oconhecia como ninguem, eram irmaos verdadeiros o que ele pode fazer pelo nmão mediu esforços. Sentimos muita falta do reverendo Eudaldo quando ele foi deslocado para brasilia, eu ainda com meus treze anos me lembro do rosto do reverendo. que Deue os tenha ao seu lado meu pai Rufino francisco de jesus (presbitero por muitos anos da ip da liberdade e o reverendo Eudaldo silva lima. AMEM.

  16. Junior disse:

    Conheci o Rev.Eudaldo, de fato, ele foi o que está escrito sobre ele.

Deixe um comentário

Spam Protection by WP-SpamFree


Notícias

Ver todas


contato@mundonovoba.com.br | www.mundonovoba.com.br
2010 © Mundo Novo Ba | Utilizando CMS:Wordpress
Produzido por: Ivo Chaves
Agência Digital ZWA - Salvador - Bahia