Marcos de Oliveira « Mundo Novo – Bahia

"...uma poesia nas quebradas do sertão..."
(Wilson Aragão)

This movie requires Flash Player 9

Marcos de Oliveira



Por Elvira Vernaschi

Sobre Anjos, Santos e Guerreiros – entre o Profano e o Sagrado

Marcos de Oliveira faz parte de um mundo cuja conjuntura histórico-social resulta em um povo com uma consciência e atitude de forte religiosidade: nasceu no nordeste, no interior da Bahia, região com raízes entranhadas na cultura portuguesa, de remota idade média, de arraigado messianismo/sebastianismo, os quais podemos encontrar na tradição popular da literatura de cordel, cordel que ilustra os folhetos de poesia de cunho do romanceiro medieval, incluídas aí as sonoridades musicais e linguísticas. Sua ascendência africana que contribuiu, no início, para marcar sua obra, é outro fator que o norteia. Nesta exposição, porém, observamos que, aos poucos, ele se abstrai desses vínculos, construindo uma iconografia própria. Autodidata, Marcos foi obrigado a inventar, sozinho, os recursos com que passou a se expressar: o desenho, as formas, a aplicação e a distribuição da tinta, a composição e o espaço, em busca de uma ordem só sua.

São muitos os caminhos que nos desvendam sua obra, desde os procedimentos técnico/formais aos estéticos e simbólicos, de personagens irreais e mitos; à harmonização e o jogo das cores no espaço; ao ritmo suave de pinceladas planas; ao contorno acentuado das formas; ao marcante colorido do plano de fundo; aos meandros de figuras que se entrelaçam em irrealidades. A partir da observação de uma obra já executada, aliada ou não a uma rápida pesquisa sobre temas de seu interesse, de sua vivência, ele registra o que está ao alcance de seus olhos, de sua imaginação, sempre na busca de atualizar sua expressividade e atingir patamares cada vez mais altos e degraus mais profundos, segundo seu objetivo de transpor para a tela um mundo rico em irrealismos.

Marcos de Oliveira constrói um panteão mítico e místico de santos e anjos, próximo mais do mundo dos homens, tal como os deuses gregos e africanos, que muitas das vezes desciam a terra para amar, lutar, conviver e usufruir das coisas mundanas. Para seu panteão ele traz ainda dragões e bestas feras, símbolos do poder de deuses e humanos sobre tudo e todos, e sobre o mal, quem sabe na expectativa da salvação. Nesse espaço Marcos constrói sua arte, muito particular, muito pessoal e que agora pode ser vista nesta exposição da Caixa Cultural.

Sua pintura revela uma religiosidade transcendente com imagens carregadas do sentido de sagrado e uma iconografia que se aproxima da arte bizantina, pintada em primeiro plano, sem perspectiva. Limpidez e precisão no executar, em definir as figuras, estruturar a composição e escolher com apuro as cores; cenas mágicas, em que figuras humanas, anjos, santos, guerreiros, dragões, serpentes se integram, fazendo surgir imagens inesperadas, sempre com rigor formal, em cenas que incitam à indagação/reflexão e a uma análise mais acurada da sua representatividade.

Analisando a linguagem das formas, de imediato percebemos o contorno limitativo das figuras. “Uso sempre um pincel especial de mesmo número para não diferir os traços; para não tremer mantenho a mão firme e deslizo o pincel sobre a tela sem interromper”. Através de um traço largo e firme o artista, ao mesmo tempo em que delimita o espaço entre a personagem e o fundo, entre a forma e a cor, integra-os sem qualquer tipo de tensão. São uma e mesma coisa, não têm vida se isolados – os personagens se conformam aos planos de cores. São contornos vigorosos, perfeitos, traçados à mão livre. A eles junta pequenos traços como a quebrar sua suposta dureza. Nossos olhos porém não se fixam numa só forma e sim passeiam por elas, pelo espaço, pelas cores, pela composição, a indagar sobre a figura fantástica: o que significaria? A curiosidade está despertada, a emoção está presente. Marcos de Oliveira esculpe formas (anjos, homens, bichos, santos e guerreiros) como se fossem seres fantásticos que nascem de sua mente e dominam nosso olhar, faz voar nossa imaginação.

Suas telas, já agora para além da paleta tropical do início de sua produção, buscam maior leveza das cores. O colorido domina a composição. O cromatismo tem vida própria, parecendo quase engolir as figuras, que a ele se agregam; o artista pretende como que outra percepção da cor transcendendo seu próprio valor. As pinceladas, extremamente lisas, auxiliam na construção de uma atmosfera de parâmetros desconcertantes: ao mesmo tempo em que conseguimos identificar seus bichos, guerreiros, anjos e santos, neles pressentimos algo fora do real. Uma aproximação aos valores visuais cria forte relação entre o sacro e o profano.

Refletindo sobre sua composição, de imediato notamos que seus corpos possuem volumes escultóricos muito mais próximos da planimetria do que propriamente do volume. Em algumas obras, mãos e pés são agigantados, sugerindo, como em Portinari, que ele tanto admira, força e apego à terra. Em outras, seus corpos estão como que descarnados, incompletos, sugerindo uma condição mais celestial e, ao revés, em seus santos essa incompletude lhes dá uma característica mais terrena. Rostos alongados, narizes largos, lábios grossos, olhos bem abertos, se compõem à maneira pré-renascentista ou do art déco. “Gosto das coisas muito bem definidas, o uso da linha/contorno é grossa e escura para definir e realçar as figuras na obra, isso vem desde os meus primeiros desenhos realizados com tinta guache ainda no interior da Bahia”.

A leitura da arte de Marcos de Oliveira se faz ainda através de analogias, independentemente das classificações tradicionais e de estilo e com um suporte baseado na relação espacial entre figura e fundo, movimento e cores, poética e forma de expressão.

Há composições que se diferenciam visualmente por priorizarem mais uma variável que outra, tudo associado ao universo simbólico-imaginário. Suas deidades – cristãs ou africanas – e seus guerreiros são identificáveis e caracterizáveis também através de signos que complementam seu universo imagético: ele sabe trabalhar esses valores. Assim encontramos, por exemplo, pássaros estilizados que lembram a pomba da paz ou a representação do Espírito Santo (no catolicismo); ou triângulos, que nos remetem tanto à religião católica quanto à maçonaria; ou círculos, com ilações à mandala, representam a totalidade, a inteireza, a perfeição, o infinito, a eternidade, a paz, que, ao final, é também a sua busca.

A dicotomia está em toda sua obra. Nas figuras, principalmente as de santos, que parecem levitar carregadas por pequenos anjos que reforçam suas condições de perfeitos, eternos. Já serpentes e dragões, subjugados sob o poder de lanças ou espadas, são colocadas na parte inferior da composição, indicando sua circunstância de seres maléficos que precisam ser dominados. Porém, seus guerreiros sempre possuem asas e coroas, símbolos do poder transcendental. São guerreiros deluz! A construção se completa com cavaleiros divinizados que conduzem, em lugar de cavalos e carruagens, veículos estranhos, extraterrestres, abstratos.

A um dado momento, o artista não se contenta em pintar sobre tela, ele transporta suas imagens para o tridimensional construindo objetos com uma linguagem ancorada em raízes nacionais de signos religiosos, aqui sim, afro-brasileiros. Identificamos nessa produção um hieratismo despojado, uma construção geométrica composta de formas orgânicas e inorgânicas. Ele brinca com a nossa noção de espaço: o espaço real – o canudo de papelão; o espaço imaginário -onde são colocadas formas de intensas cores; e o espaço final, que só é percebido por ele mesmo e por nós quando o circundamos e/ou analisamos.

Irrealista e metafórica, essa imaginária rica em elementos fala primordialmente do universo interno do artista, de seu processo de criação, de uma pintura que se mede pelos resultados visuais, pela riqueza de evocações, pela liberdade do autor, por sua percepção e reflexão sobre o mundo, um mundo rico de cores e formas, um mundo de contrastes entre o simples e o complexo, entre a realidade e o imaginário, unindo literatura e fantasia, resultando numa interação mágica e inovadora. Seu trabalho aguça nosso olhar e nos faz perceber que tudo são perspectivas de um artista universalizante.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Guerreiro Celestial, o poder da expressão

Este Guerreiro Celestial, obra de 2010, em tinta acrílica sobre tela, medindo 200 x 120 cm, pode ser um bom exemplo para entender a atual produção de Marcos de Oliveira. Desde já o título enuncia uma dicotomia entre o celestial e o telúrico. A temática é tratada através de grande leveza das cores, todas elas emblemáticas, e que se encontram representadas em cada uma de suas telas. As formas circundadas por traços firmes e marcantes não impedem a integração forma/cor/fundo; a estilização do rosto, o alongamento dos dedos e das mãos contribui para uma figuração fantástica e irreal; as armas de luta que aqui podemos vislumbrar na parte central da composição, passando por anjos estilizados na parte superior da composição ou as grandes asas do guerreiro sugerem o divinal e o terreno; os répteis enquadrados na parte inferior inferem o poder sobre o mal. Os triângulos e círculos sígnicos ou ainda a composição humanoide, vazada – surrealista -, com olhos, chifres, hélices, misto de máquina e bicho, meio homem, meio anjo, meio máquina – futurista -, ocupa quase todo o espaço telar, contribuindo para seu caráter monumental. A “saia” grande, arredondada, volumétrica, com uma hélice/motor na parte inferior lhe dá um sentido de levitação potencializando seu poder. Trabalhando suas referências de modo muito pessoal, o artista cria uma estética livre de comprometimentos, uma poética em que personagens brotam de intenso e suave colorido. Ao elemento construtivo que se nota no desenho da imagem, Marcos agrega elementos sensoriais e ritmo gráfico, domínio da espacialidade e dramaticidade expressiva atemporal. As desproporções das figuras – rostos, mãos, braços e pés -; o uso de símbolos – pássaros, peixes, círculos, triângulos -; as cores vibrantes; o dimensionamento volumétrico e a criatividade espontânea são sua maior valia, em nome de uma expressividade muito particular.

 

 

Marcos de Oliveira

Nasce em Ibiaporã, distrito de Mundo Novo, interior da Bahia, em 1980, onde faz o curso primário. Terceiro filho de um total de quatro irmãos passa a infância e a adolescência entre o sítio e a cidade. Na biblioteca da escola, tem seu interesse pela arte despertado através da leitura derevistas especializadas. Encanta-se com obras de Tarsila, Di Cavalcanti, Portinari, Aldemir Martins e Arcangelo Ianelli. Autodidata seu interesse maior é a arte. No início, desenha a carvão, usando as paredes de sua casa, e guache para papéis e cartolina.

Suas primeiras exposições acontecem ainda em Mundo Novo, em 2001 e 2002, quando passa a utilizar telas preparadas por ele mesmo. Nesse mesmo ano é convidado a participar do I Festival de Cultura do Interior da Bahia, realizado em Salvador e onde conhece Waldomiro de Deus, que o incentiva a continuar pintando. Vende suas primeiras obras. Após passar algum tempo em Goiânia, dedicando-se integralmente à pintura, em 2003 transfere-se para São Paulo.

Atrás de seu sonho, pensa um projeto para sua vida artística. Realiza diversas exposições individuais na cidade, no interior, pelo Brasil e até no exterior, entre os quais merecem destaque: “Um Olhar sobre o Nordeste”(Conjunto Cultural da Caixa, São Paulo/SP) (2004); Salão Paulista deArte Contemporânea (São Paulo) (2006); exposição e lançamento do livro “Contando a Arte de Marcos de Oliveira”, de autoria de Oscar D’Ambrósio e dois painéis seus fazem o Cenário do Programa Metrópolis da TV Cultura (São Paulo) (2009);“Atelier Aberto” (SESC Piracicaba/SP) (2010); “Traços e Cores” (IQ Art Gallery/São Paulo/SP) (2011); “Marcos de Oliveira – Imagens e Símbolos”(Galeria Municipalde Artes de Marília/SP) (2012). Participa de inúmeras mostras coletivas, entre as quais: 1º. Encontro Nacional “Volta a São Paulo em mais de80 Malas” (Espaço Cultural Conjunto Nacional, São Paulo) (2004); Exposição no MAPA-Museu de Arte de Assis/SP (2005); 11º. Salão Paulista de Arte Contemporânea (MAC USP/SP) (2006); 34ª. Semana de Portinari – Artista homenageado – Sala Especial (Brodowski/SP) (2009); 10 ª. Bienal de Arte Naïf (Piracicaba/SP) e 4ª. Grande Exposição de Arte Bunkyo (São Paulo) – Prêmio Menção Honrosa (2010). Recebeu vários prêmios e possui obras em diversos museus, coleções públicas e particulares, no Brasil e no exterior. Executou o mural “Adoração a São Francisco”, 2004 (170 x 150cm) para a parede externa do MAPA-Museu de Arte de Assis/SP. Escreveram sobre sua obra os críticos, Oscar D´Ambrósio Emanuel von Lauenstein Massarani, Lino Cavallari, Elvira Vernaschi, César Romero e Luiz Ernesto Kawall e os artistas Guilherme de Faria e Nonatto Coelho, além de outros textos e citações em jornais e revistas nacionais e internacionais.

 

Elvira Vernaschi
Curadora
Membro da ABCA e da AICA – Associação Brasileira e Internacional de Críticos de Arte
São Paulo, julho de 2012



Leia mais:



11 comentários para “Marcos de Oliveira”

  1. aderbal alves neto disse:

    Marcos, boa tarde!!
    Que prazer,que orgulho, encontrar um Baino e ainda mais de Mundo Novo com tanto talento e prestigio! Eu nasci nesta terra maravilhosa , hoje vivo em São Paulo, mas sempre me lembro com muita saudades do nosso lugar, quanta nostagia.Quero aqui deixar os meus parabéns para este profissional Mundonovense, que tanto nos honra com a sua arte!
    um grade abraço.

  2. Marivaldo Sobreira disse:

    Gostária de saber quem é o responsavel pela blblioteca do Sapé. Tenho livros para doação e gostária de saber. estou de passagem em Mundo Novo Domingo dia 14/04 e queria levar para esta doação.

    Marivaldo Sobreira

  3. Bom dia meus caros!só hoje estou vendo às mensagens de vcs sobre às minhas obras,fico extremamente feliz em saber que a minha arte disperta este sentimento tão bom em meus conterraneos, obrigado a todos pelos comentários.

    Um enorme abraço,

    Att,Marcos de Oliveira

    Artista visual

    para maiores informações visitem o meu site http://www.marcosdeoliveira.com ou atraves do E-mail marcosdeoliveira_art@yahoo.com.br

  4. Bom dia meus caros!só hoje estou vendo às mensagens de vcs sobre às minhas obras,fico extremamente feliz em saber que a minha arte disperta este sentimento tão bom em meus conterraneos, obrigado a todos pelos comentários.

    Um enorme abraço,

    Att,Marcos de Oliveira

    Artista visual

    para maiores informações visitem o meu site http://www.marcosdeoliveira.com ou atraves do E-mail marcosdeoliveira_art@yahoo.com.br

  5. Bom dia meus caros!só hoje estou vendo às mensagens de vcs sobre às minhas obras,fico extremamente feliz em saber que a minha arte disperta este sentimento tão bom em meus conterraneos, obrigado a todos pelos comentários.

    Um enorme abraço,

    Att,Marcos de Oliveira

    Artista visual

    para maiores informações visitem o meu site http://www.marcosdeoliveira.com ou atraves do E-mail marcosdeoliveira_art@yahoo.com.br

  6. francisco ferreira da silva disse:

    marcos de oliveira,tenho um sonho, queria realizalo que é a impressão dos meus livros,sou um fã da vida imaginária e do mundo da fantasia encontrei a tua editora literatura efantasia, quem sabe que possa realizar o meu sonho. mande uma condição para mim um orçamento que possa me baziar por ele obrigado abraço.

  7. Humberto disse:

    Oi marcos, repetindo,
    Que belo seu potencial, Mundo Novo precisa de Vc, ou melhor nos conterraneos precisamos de Vc. Que tal um trabalho sobre a “SEDA” nordestina tão avassaladora, a furia da natureza empobrecedora da nossa região se pensa em cenario desertificador, etc. Outros espiritualistas descreveram seus trabalhos sobre isto “GRACILIANO RAMOS” obra associada às suas pinturas e/ou gravuras, ilustraria bastante o nordeste brasileiro. Acredito que empresas tipo Petrobras e outras que tenham incentivos fiscais do governo custiariam obras de arte de tamanha importancia.

  8. Humberto disse:

    Realmente muito bom e bonito. Não entendo de artes mas olhando-as agrada a qualquer visual, vejo isto como sendo o mais interessante; ou seja não agrada só aos intelectuais, e a maioria dos brasileiros? a final espiritualidade não é mágica é real. Os que estão do lado de lá nos ensina fazer do lado de cá. e assim vamos evoluir sempre, que Deus nos abençoe agora e sempre.

  9. Renato ribeiro disse:

    Marcos,
    que boa surpresa tomar conhecimento de sua obra, que na minha leitura n deixa a desejar a pintores extremamente renomados na pintura mundial. A ouadia das cores fortes que se agregam harmoniosamente nas formas inusitadas e belas, é de tirar o fôlego. Lastimo não ver uma obra sua na famosa “MUNDO NOVO”.
    seu potencial e o mesmo de grandes artistas como Gaudi,Picasso, Clint etc. e penso que eles se deliciam lá do outro lado ao te ver pintar com suas inovadoras formas…. vc tem traço próprio, assustador , mágico, contemplativo etc. Falaria pautas e pautas do que senti, mas estou de súbito impulso agora ao ver e te solicito entrar em contato através de meu e-mail .
    Quero conhecer mais seu trabalho e adquirir uma obra sua sua, não pelo fato de vc ser Mundonovense, adoro arte e fiquei desapontado em n conhecer seu trabalho, mais desapontado ainda de perceber que na nossa terrinha “MUNDO NOVO”, em nenhuma instituição, organização ou local público, residências, tenham algo de bom gosto e que valorize cidadões com potencial. Desapontado mas não assusto, afinal,bom gosto é algo para poucos. Repito entre em contado desejo um trabalho seu mande-me catálogo e valores.
    Sorte e sucesso em 2013.
    Renato Ribeiro- e-mail: renatoriba@yahoo.com.br

  10. henderson guimaraes disse:

    divino a obra desse cara, parabens!!

  11. eli hirschi disse:

    Maaaaarcos!
    Que deliciosa surpresa! descobrir voce! artista grandioso, com um talento “inoui”! adoro sua arte, cores, formas, harmonia, um casamento perfeito de delicias, que nos fazem felizes, e viver a vida com entusiasmo e positivismo, esta é a minha sensaçao e prazer!
    bravo! nao deixe de criar!
    Elielza, de Mundo Novo tbm apaixonada pela arte!

Deixe um comentário

Spam Protection by WP-SpamFree


Notícias

Ver todas


contato@mundonovoba.com.br | www.mundonovoba.com.br
2010 © Mundo Novo Ba | Utilizando CMS:Wordpress
Produzido por: Ivo Chaves
Agência Digital ZWA - Salvador - Bahia